Apresentação

Patrimónios, um conceito cultural e político
Patrimónios de Influência Portuguesa (PIP) ou, simplesmente, Patrimónios é um projeto integrado de investigação e transferência de conhecimento sobre as heranças culturais que as comunidades de influência portuguesa manifestam. Com uma orgânica flexível, o projeto Patrimónios privilegia a investigação e a formação avançada. A sua ação integra projetos de investigação desenvolvidos por equipas internacionais com as mais diversas solicitações e articulações, desde financiamento competitivo ao mais alto nível, às teses dos estudantes do programa de doutoramento (DPIP), no qual o binómio de patrimónios vivos – língua e território – se traduz nos ramos de titulação em Estudos Culturais e Arquitetura e Urbanismo.

Objetivos
Desenvolvendo a sua ação com um posicionamento pós-colonial e abordagens interdisciplinares que conjugam a Arquitetura, os Estudos Culturais, os Estudos Literários, a História, a Antropologia e a Sociologia, o projeto entende o património como um conjunto de ativos contemporâneos com potencial único para o desenvolvimento sustentável e harmonioso de sociedades prósperas e justas. Esta é a proclamação do seu princípio orientador e multidimensional: não há um património com uma só origem, de um agente ou um grupo, que uma vez questionado dê sempre as mesmas respostas. A ampliação de pensamento sobre património proposta pelo PIP promove o diálogo norte-sul e coloca este projeto num patamar de excelência de reflexão, investigação e produção científica singular na Europa. O projeto, bem como o programa de doutoramento nele integrado (DPIP), baseiam-se na mobilidade dos investigadores e estudantes, criando equipas de pequena e grande dimensão e massa crítica capaz de fundar um think tank na área de Patrimónios de Influência Portuguesa, olhando para o “património” enquanto conceito cultural e político.

Internacionalização e parcerias
Em 2013 o programa de doutoramento PIP iniciou o processo de internacionalização com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian, associando-se em regime de cotutela: na Europa, às Universidades do Algarve, Bolonha e Paris-Ouest; na América do Sul, à Universidade Federal Fluminense (Rio de Janeiro); e em África, à Universidade Eduardo Mondlane (Maputo). Foram ainda negociadas participações com o M_EIA (Instituto Universitário de Arte, Tecnologia e Cultura) de Cabo Verde. Estão ativas as parcerias com UNESCO; Fundação Calouste Gulbenkian; Instituto Camões – Instituto da Cooperação e da Língua; Associação IVERCA — Turismo, cultura e meio ambiente, Maputo, Moçambique; Associação Tchiweka de Documentação e Companhia de Dança de Angola Luanda, Angola.